Arquivo de 'Barolo 2005 – Livio Pavese – Nebbiolo – Piemonte – Itália.' Category

Apr
12

O CICLO DAS UVAS



O broto ds uvas na Primavera

O broto ds uvas na Primavera

 

 

Depois do inverno, rigoroso, principalmente nos países europeus, inicia-se um novo ciclo vegetativo na vida das uvas, que culminará após 9 meses, com a colheita e conseqüente produção  de um novo vinho, em quase tudo semelhante, mas diferente em cada ano. É a riqueza da variabilidade das uvas, do talento do enólogo, e o aproveitamento da experiência anterior do artesão é que ele pode produzir sua próxima nova obra de arte, o vinho do ano.

Nos vinhedos, no primeiro mês da primavera, uma linfa começa a circular, daí aparecem os primeiros brotos, que serão diferenciados em folhas e frutos. É necessário cerca de 20°C para a uva florescer, o que acontece em Maio nas regiões mais ao sul, e Junho nas regiões mais ao norte, tudo em se tratando de  hemisfério norte.

Em Champagne 100 dias, após aparecer as flores, se dá a colheita dos frutos; diferentes critérios de amadurecimentos acontecem para cada região e cada  vinho.

Por exemplo, é bem diferente o critério de madura e pronta para a colheita para a Pinot Noir na Champagne e na Bourgogne!

Devido à situação geográfica e conseqüentemente climática, a colheita se dará mais prematura ou tardiamente, dependendo do tipo de uva escolhido e plantado.

Pelas variações mínimas climáticas e da composição do terreno, cada uva se adapta melhor à cada micro clima e região; produzindo melhor um determinado tipo de uva e conseqüentemente de vinho.

Assim, grosso modo, os produtores plantam num clima um pouco mais frio as uvas que amadurecem mais precocemente, pois precisam de menos calor do Outono. As outras de maturação tardia  precisam de um pouco mais de calor para seu perfeito amadurecimento. Isto quer dizer, não é uma preferência de gosto, mas de perfeita adaptação das uvas às regiões. É isto que fazem os vinhos regionais serem produzidos com as uvas locais certas e produzirem os melhores vinhos possíveis.

A referência é a uva Chasselas, a mais precoce, e junto com ela vêm:

Primeira época: Müller-Thurgau, Chardonnay, Pinor Noir, Gamay, Tempranillo e  Merlot.

Segunda época: amadurecem 10 a 15 dias depois: Zinfandel, Riesling, Sylvaner, Muscat petits grains, Syrah e Cabernet Sauvignon, etc.

Terceira época: 12 – 15 dias mais tarde. Carignan, Grenache e Ugni Blanc (Trebbiano).

Quarta época amadurecem depois destas últimas: Muscat de Alexandria e Nebbiolo.

Existem ainda as colheitas tardias, que são propositalmente uvas colhidas super maduras, produzem vinhos especiais, com uvas virando passas, que geralmente produzem vinhos doces licorosos ou secos com grande teor alcoólico. (Sauternes e Tokaj)

Uma outra variável deste tipo de colheita é colher as uvas no seu amadurecimento normal, mas estocá-las para secar e virar uvas passas, concentrando seus açucares, e depois vinificá-las. Entre os muitos existentes, o doce Recioto e o seco Amarone, ambos da Valpolicella ou no doce Vin Santo da  Toscana, etc.,etc.

 

É crucial o momento da colheita, é particular para cada região e para cada tipo de vinho e cada safra, deverá haver um equilíbrio perfeito de maturação considerando a acidez, o açúcar, os taninos.

Imediatamente após a maturação perfeita, as uvas param de acumular açúcar e começam a perder acidez e em curtíssimo tempo, questão de um dia, podem perdem o ótimo equilíbrio.

Neste momento um fator real e objetivo, o valor das safras, se junta a um fator subjetivo, o talento do produtor, para se produzir o vinho ideal para a região.

Apr
12

O ciclo das uvas e seus representantes



 Na confraria no Clube Harmonia tomei estes vinhos como representantes delas no ciclo das uvas (ver o post acima) foram escolhidos ao acaso, para representar esta curiosidade do mundo dos vinhos, dentro da proposta orçamentária .

 

1 – Pasus 2001 – Tempranillo  – Rioja – Espanha

      Vinho tinto, com uvas Tempranillo(85%,Garnacha 10% e Mazuelo 5%), precoce de amadurecimento. Geralmente necessitam de cortes com outras uvas para se tornarem mais agradáveis e longevos.

      Cor: cor rubi claro.     

      Aromas: fino, delicado, boa intensidade, com frutas maduras e boa madeira.

      Boca: bom, leve , delicado, redondo, frutado, maduro, equilibrado e vivo com boa acidez, madeira leve e agradável.

É um Escopeta

     R$ 150(normal)

2 – Montes Alpha 2007 – Cabernet Sauvignon –  Chile

      A uva é de amadurecimento intermediário, pródiga, dá bons vinhos em todo o mundo.  Tem a casca espessa dando vinhos com cor escura, encorpados; em Bordeaux necessita de 10 a 30 anos de amadurecimento em garrafas, no Novo Mundo amadurecem com 5 a 10 anos de garrafa, mas alguns nobres chilenos e americanos por exceção, também precisam amadurecer mais de 10 anos.

Este vinho provado na confraria era bastante escuro. Nos aromas era frutado, com a típica goiabada, notei forte presença da madeira, mas agradável longo e persistente. Na boca, forte, de muito corpo, com taninos intensos, conferia os aromas, as fortes influência da madeira, mas agradável.  

É um Espadilha

      R$ 82(Normal)

3 – Barolo 2005 – Livio Pavese – Nebbiolo – Piemonte – Itália.

      Uva de amadurecimento tardio, característica da região do Piemonte, onde dá seus melhores vinhos. As casca das uvas com média pigmentação dão vinhos mais claros, mas ricos em taninos e  com boa acidez , o que os tornam muito resistentes e longevos.

Esta amostra estava rubi claro.

Aromas muito fechados, embora agradável frutados de intensidade mínima, não se intensificou após quase duas horas de abertura da garrafa.

Na boca era leve, delicado, mas sem complexidade, agradável mas o que o fez um vinho simples.

 É um Espadilha

      R$ 145(normal)

Estes preços são os da BR Bebidas Importadas, que os vende frequenemente mais barato que as importadoras.

Confira, é na rua Leopoldo Couto de Magalhães, 622 – Itaim Bibi – São Paulo – CEP 04542-010      Tel                011 3071-0777      

Theme Distributed by Rock Kitty and Wordpress Themes