Arquivo de 'Bebericos' Category

Mar
15

Bordeaux 2009



Bordeaux 2009

 

Na semana passada tivemos uma deliciosa degustação de vinhos de Bordeaux promovida pela “ Union des Grands Crus de Bordeaux” e seus  produtores mais representativos, dentro dos seus 132 membros.

Foi a primeira degustação promovida em São Paulo oficialmente por eles. Não sei se se trata de crise comercial, mas não me lembro uma degustação tão pródiga de tantas marcas importantes juntas, analisando e promovendo uma única safra, a de 2009; de qualquer modo muito bem vinda e de excelente qualidade.

Eram mais de 100 produtores com no minimo uns quatro tipos cada um, fazendo sem rigor dos números, cerca de 400 vinhos para serem degustados. Não tive esse fôlego todo!!

Foi muito didática, pois num país como o nosso, distante e pouco consumidor de marcas sofisticadas e caras como os Bordeaux, esta foi uma oportunidade indiscutivelmente de ouro para o público amante e estudioso deles.

Como comentamos sempre, os Bordeaux são os mais longevos e resistentes vinhos de mesa, e que necessitam de 15 a 20 anos de amadurecimento e talvez outros tantos anos resistindo num estável platô, com grandes qualidades.

Esta safra de 2009 em tintos, pode e deve ser comprada para os que tenham expectativas de bebê-los maduros em torno do ano de 2030. Claro que poderão ser consumidos antes disso, e com muito prazer.

Os brancos da região de Péssac-Léognan, sempre os mais importantes de toda a região de Bordeaux também estão deliciosos, frutados e baunilhados já, também necessitam e evoluem após 10-15 anos, mas creio que os tintos serão mais famosos. Alguns nomes de brancos atualmente marcantes: Châteaux Pape Clément, Haut-Brion Arrivée, Carbonieux.

Os tintos só começam a desempatar dentro de alguns anos !!

É uma safra deliciosa, fácil, concentrada, frutada, rica, complexa, bem estruturada, equilibrada e harmoniosa. Penso que só haverá prazer  em seu consumo. Embora com estas qualidades, neste momento, está bastante fechada, confundindo e dificultando comparar os que serão grandes vinhos, dos médios e até pequenos.

De qualquer modo foi um grande privilégio que estes vinhos tenham chegados até nós sem precisarmos ir para a França, o que também não seria na verdade, nenhuma tragédia.

 

Feb
18

OS VINHOS DO CARNAVAL



Carnaval e vinhos 

Até que foram bem aproveitados os feriados do Carnaval para tomarmos um punhado de bons vinhos. Foi lá na Quinta da Baronesa, com tempo fresco, sem chuvas e sem carros alegóricos, degustamos vários vinhos, na paz das casas chiques, elegantes e muito amáveis dos amigos de lá.

Na casa do Elio um almoção no domingo, cheio de amigos simpáticos e inteligentes (nem sempre é fácil de encontrar por aí). No pano de fundo, Eliane sua mulher, grande cozinheira, formada até em gastronomia para os seus e nossos deleites, preparou-nos delicioso e perfeito menu. Teve uma micro entradinha composta de mini saladinha verde com  mousse de iogurte ao limão e lasquinhas de presunto cru, é mole? Seguiu-se porçãozinha de graúdos camarões ao molho de vinho Sauternes, e finalmente o prato de resistência, o pernil de javali, recheado e assado, acompanhado da intrigante e levíssima mousse de pimentões amarelos.

Tomamos de tudo um pouco, champagnes, brancos e tintos. Como brancos tivemos o Crasto 2007 e Esporão Private Selection 2007 (ver abaixo). Como tintos degustamos um Muito bom Vila Santa 2004, bom português em magnum  e um Alion da Ribera Del Duero  de 2004 muito bom, talvez um pouco jovem ainda.

Ansiosamente esperei pelo almoço de terça na casa do Almir, claro feito por ele.

Para não se perder a fome foram servidas pequenas porções de bruschettas de tomates frescos e anchovinhas , delicados pasteizinhos de carne, e barquinhas de endívias com Roquefort e nozes. Você está achando pouco?

E, para não perder o pique, um arrasador arroz de pato, com grande técnica, dosadas gorduras, deliciosa carne tenra do pato com temperos frescos da horta, e perfeito arroz soldo e ao dente. Coroando o prato já no seu acabamento, fatias de lingüiça curada e defumada, só abafadas, para dar um perfuminho e não contaminar tudo com seu gosto, mantendo-se o gosto delicado do pato.

Após queijos variados e cheirosos, para não sair do tema – um delicioso sorbet de uvas Isabel –  feito pela Silvia, mulher do Almir, refrescou nossa cansada cuca. Ufa! Parece fácil, mas não é.

Os brancos serviram de aperitivo, um bom Riesling Selbach-Oster 2004, da Importadora Vinci  e o excepcional Esporão Private Selection 2007 da Qualimpor- 0800 702 44 92 .

A grande surpresa do aperitivo foi a cerveja “champenoise” Deus,  – meu deus! Boa mesmo, belga nas orígens e acredite espumantizada na França, realmente muito refinada, leia no post do dia.

Como tintos tivemos um muito bom Château Beau-Séjour Bécault 1985, de Saint Émilion, e o magnífico – Gran Reserva 890 da Rioja Alta 1995  ( ver abaixo), seu vinho mais sofisticado, realmente imbatível Rioja.

Feb
18

A Cerveja “champenoise”- Deus Brut de Flandres – Cuvée Prestige 2005



Deus cerveja champanhizada 

Você já conhecia?  Eu sabia que existia, mas não a tinha provado ainda.

Produzida e fermentada em altas temperaturas 15 a 25°C, tem uma maltagem tripla ou seja 3 vezes mais malte que uma cerveja comum, amadurecida na Bélgica produz uma cerveja com 11,5% de álcool, e em seguida encaminhada para a França para sua super espumantização, método semelhante ao “champenoise”, com adição de leveduras e açúcar.

Tem toda a aparência dos champagnes, na garrafa e na taça.

Cor: amarelo-dourado, servida na taça flute bem gelada, forma alto colarinho de espuma, composta de mínimas bolhinhas, com um perlage intenso e persistente.

Aromas: o delicado das cervejas, com dominância dos dos cereais, animal, curral, delicados e agradáveis.

Sabor: Leve, muito delicado, com forte predominância dos cereais, mínimas frutas. Sua espuma é delicadíssima na boca, envolve com delicadeza , aveludada, e final pouca acidez e vivacidade.

Um delicado e curioso aperitivo, não para se consumir com uma calabresa acebolada como os chopinhos tanto combinam.

 

 

Importada pela  Nono Bier, não sei se é a única importadora; é uma loja de comércio eletrônico voltada exclusivamente ao comércio de cervejas, especialmente de cervejas importadas. Esta empresa surgiu do desejo de seus sócios de conhecerem cervejas de todas as partes do mundo. Seu intuito é levar ao amante da boa cerveja as mais diferentes marcas, dos mais diferentes tipos. As cervejas mais conhecidas e premiadas do mundo estão aqui. Telefone:  (19) 3294 7034 

Dec
28

SANGRIA ESPANHOLA



SANGRIA ESPANHOA 

 

A mais gostosa sangria espanhola que provei, aprendi num restaurante em Madrid, que não me lembro seu nome, pois já faz vários anos, mas eu perguntei, era assim a receita:

Numa jarra generosa, de preferência incolor e transparente junte sobre grandes pedaços de gelo, pedaços de frutas como:

Meio abacaxi sem casca, ou até alguns pedacinhos dela.

Uma maçã com casca sem sementes.

Rodelas de  meia laranja com casca.

Suco de uma laranja.

A casca enrolada de uma laranja, para enfeite e gosto.

1 dose de licor Cointreau.

1 dose de vermute tinto.

1 latinha de clube soda gelada (para não perder o gás)

1 garrafa de vinho tinto seco encorpado.

Dê uma mexidinha e está pronto.

É MUITO BOA ESSA COISA!!! NÃO TEM QUEM NÃO GOSTE. NO VERÃO  VAI COM TUDO.

 

Nov
2

Muitos motivos aconselham a se beber água junto com os vinhos.



 1 – Para se diluir o volume de álcool bebido e não se embriagar rapidamente.

2 – Por mais que os vinhos sejam gostosos a água entre os goles de vinho alivia o paladar.

3 – Os vinhos custam caros, e tomando-se água junto deles, se bebe menos vinhos durante uma refeição, pode-se dividir por mais pessoas uma boa garrafa.

4 – Como médico digo que se deve tomar sempre bastante água junto dos vinhos, pois o vinho (álcool) produz certo estado de desidratação intra celular, incluindo as células cerebrais,  e podem produzir dores de cabeça, mesmos os bons, o que não reflete necessariamente a qualidade ou preço deles.

5 – Água é gostoso.

Oct
20

Não há regras fixas para se apreciar um vinho; é tomar e gostar



O vinho é uma bebida, nobre, amiga, agradável e de fácil convivência. Não há regras fixas para se apreciar um vinho; é tomar e gostar. Gostamos do vinho que nos agrada, e não do vinho que os livros ou os amigos gostam. É claro que existem regras, tendências, que a experiência, os usos e costumes consagraram. Um vinho caro não é por acaso, é um vinho que muitas pessoas gostam; e se sua produção for pequena, obviamente faz seu preço subir, e habitualmente são cheios de qualidades também, a fama não vem por acaso.

Para se apreciar vinho, fica mais fácil se você fizer um curso básico, ou fizer degustações acompanhadas com pessoas mais experientes, que o conduzam a compreender certas escalas de valores.

Oct
20

Aqui no blog tentaremos desmistificar as coisas do vinho!



Li no ultimo guia das sextas-feiras do Estadão, artigo de capa!!, que é opinião geral dos especialistas de feira, oito garapeiros dos mais famosos, que pastel de feira (turbinado ou não, com limão, pimenta, etc) combina muito bem com caldo de cana, quando eu era criança se chamava garapa. Assim, penso que não precisamos ficar nos debatendo e tendo dramas de consciência, com o que se comer com um Malbec. Não tenho nada contra os Malbec é só um exemplo, pastel também dá certo com ele.

Desmistificando: muitas coisas dão certo com muitos vinhos, encontre as suas e siga em frente.

Oct
20

Tampas e roscas



Fique tranqüilo quanto a durabilidade de seu vinho com tampa de rosca.

Concordo que perde um pouco de charme nos rituais das aberturas dos vinhos o fato da garrafa ter tampa rosqueada, mas as qualidades dos vinhos estão garantidas por muitos anos, é a minha opinião e de uma grande parte das vinícolas modernas do mundo, tanto da Europa quanto do Novo Mundo.

As tendências dos produtores, que é uma enorme e respeitável quantidade de empresas, estão com um programa de passar a usar em quase todos os seus vinhos este sistema.

Tem sido muito alto o percentual de vinhos “buchonée”, (mais de 5%), que é aquela doença das rolhas provocada por fungos e que dá um sabor de rolha intragável aos vinhos.

Pode continuar a comprar tranquilamente os vinhos com tais tampas se seu objetivo não for o de guardar mais de dez anos, acima deste tempo passa a ser discutível.

Para vinhos jovens de consumo rápido esta tampa é até melhor.

Oct
20

A temperatura de servir os vinhos



A prática, junto à teoria demonstrou que os vinhos devem ser consumidos numa temperatura adequada, ficam melhores ao respeitar certas regras básicas.

Estas regras costumam basear-se principalmente nas características físico-químicas dos vinhos e do prazer gustativo que eles despertam na sensibilidade das nossas papilas gustativas.

Os vinhos brancos pela sua boa concentração maior de ácidos e baixa de taninos se beneficiam quando servidos gelados entre 8 e 12ºC. Todos eles, quanto mais novos mais frios e quanto mais velhos e nobres para o extremo mais quente. Os champagnes entre 6 e 8 ºC.

Os doces licorosos desde 6 e 16ºC dependendo do tipo e idade.

Os rosés nas temperaturas mais para os extremos dos brancos que dos tintos.

Os tintos podem ser consumidos bem frescos, principalmente no Brasil, mas é bom não exagerar (16 a 18 ºC ) pois o gelado acentua os taninos e adormecem (fecham) as essências, o bouquet.

Lembrar sempre que estas temperaturas são as de consumo, pois no Brasil onde a temperatura ambiente é alta 25 a 30 graus devem-se servir os vinhos um pouco mais frio que suas recomendadas temperaturas para o consumo, pois com alguns minutos o ambiente já aumentaria a temperatura do vinho dentro dos copos.

Lembrem-se, é sempre preferível servir um pouco mais frios, pois na prática, para aumentar as temperaturas é só se aguardar um pouco no copo, aquece-lo com as mãos, para diminuir é muito mais difícil.

Oct
20

O que são os taninos de um vinho?



Os taninos de um vinho são substâncias naturais que aparecem nos vinhos, vindos principalmente dos talos dos cachos, das cascas e das sementes das uvas.

Já estão nos vinhos desde o início, outros são absorvidos as madeiras dos barris onde são guardados.

São substâncias adstringentes de gosto, ao contrário de ácidos. São básicos ou alcalinos, quero dizer, gosto de frutas verdes como caqui, goiaba, etc, amarram a boca.

São muito desejáveis nos vinhos, pois dão equilíbrio com os ácidos e açúcares, na quantia certa, para ficar mais agradáveis.

Alem do gosto protegem os vinhos na sua durabilidade, para não estragarem, como são substâncias anti-sépticas, não deixam criar bactérias danosas.

Os vinhos recém produzidos têm mais taninos, e com o tempo eles precipitam e vão para o fundo das garrafas (a borra), com o envelhecimento nas garrafas eles ficam mais suaves e macios até desaparecerem (junto com os ácidos) e o vinho estraga e morre.

Theme Distributed by Rock Kitty and Wordpress Themes